China



A China terá em 2015, 1400 milhões de habitantes. Número brutal.


Algo que sempre me deixou curioso foi o facto  da maioria das mulheres chinesas que vejo na rua terem as pernas tortas. Através deste post descobri a razão para tal acontecer. Deve-se ao facto de em bebés serem alimentadas com leite de soja em detrimento do usual leite materno


Nos últimos anos tem aumentado de forma exponencial a procura de esposas vietnamitas por chineses da Mainland  que nas suas palavras procuram mulheres humildes, obedientes, e que tratem da casa ao contrário das suas compatriotas que apelidam de gananciosas e estupidamente materialistas.

São realizadas inúmeras excursões ao Vietname no intuito de encontrar uma futura noiva para estes cidadãos  chineses que sofrem igualmente com a brutal desproporção entre o número de pessoas do sexo feminino e masculino na Mainland.


O PC chinês aprovou  um novo código de ética contra a corrupção definindo um lote de 52 práticas consideradas inadmissíveis, para enfrentar a corrupção generalizada em todo o país.

Recorde-se que em 2009, foram levantadas cerca de 106 mil acusações de corrupção contra membros do partido e do governo.

O fenómeno da corrupção é encarado pelo Governo Central de Pequim como a grande ameaça à estabilidade do regime


Estima-se que por altura das celebrações da entrada no Ano do Tigre cerca de 210 milhões de chineses regressem a casa para rever as suas famílias, num gigantesco movimento de massas. Todos os meios de transporte irão ser escassos para tamanha massa humana


Em Pequim sente-se uma histórica vaga de frio com os termómetros a descerem aos valores mais baixos dos últimos 40 anos. Para amanhã, por exemplo, estão previstas temperaturas mínimas de 12 graus negativos e máximas de 5 graus negativos!

Junte-se isto às ocasionais rajadas de vento gélido que sopram da Sibéria e imaginemos como devem andar os residentes da capital chinesa.

De certeza que poucos se arriscarão a andar de bicicleta .


Quando a importante conferência de Copenhaga se aproxima a olhos vistos, a China  anunciou que pretende reduzir consideravelmente a intensidade das emissões  de carbono em 45  até 2020.

Por seu turno, os Estados Unidos anunciaram que vão reduzir as emissões de carbono em 17% relativamente aos níveis de 2005, até 2020.

Como prova da  importância do evento, tanto Obama como Wen Jiabao anunciaram que vão estar presentes na capital dinamarquesa.

Aguardemos agora para ver qual vai ser o papel desempenhado pela União Europeia nesta luta global contra as alterações climáticas.

Página seguinte »