“Questionado sobre a possibilidade de o executivo poder inverter, no futuro, essa posição, permitindo aos mais de 72 mil não residentes mudarem de emprego perante melhores ofertas de trabalho, o responsável disse: “Se o trabalhador acha que as condições que o empregador lhe oferece não são suficientes ou são maltratados, ele pode voltar à sua terra para tentar arranjar outro emprego”

Director da DSAL  na Agência Lusa

Advertisements