A avaliar pelo que disseram os participantes na abertura do ano judicial, Macau e Portugal têm uma coisa em comum, a Justiça está doente.

Anúncios