“Já não deve haver muitas dúvidas: este Benfica de Quique Flores/Rui Costa é o melhor dos últimos anos. Pelo menos, já não tinha ideia de uma jogatana dos encarnados ao nível daquela com que nos brindou na segunda parte da partida contra o Nápoles, para mais sem contar com quatro pesos-pesados: Carlos Martins (até aos 26 minutos) no banco, Suazo e Aimar lesionados, e Cardozo castigado.

Ufffff! – suspiro enfim de alívio ao olhar para a manchete de ontem de Record. De facto, “Digno de Reyes” aplica-se perfeitamente ao jogo do Benfica, com o avançado espanhol a repetir a proeza de quatro dias antes, frente ao Sporting, e Nuno Gomes a confirmar, na execução superior de um golpe de cabeça, que está de volta aos seus melhores dias.

As manchetes viram-se normalmente para os golos e para os “heróis” imediatos. Não fosse isso e eu preferiria salientar que foi da lucidez de Quique – com a aposta na dupla Luisão/Sidnei, que deu solidez à defesa, e com a recuperação de Katsouranis para a sua verdadeira posição, que dotou de outra profundidade e consistência o meio-campo – que nasceu o “novo” Benfica.

E pensar que nos debatemos aqui, nos últimos anos, com a necessidade comercial de “pisar o risco”, incensando na 1.ª página vitórias tangenciais e exibições medíocres, do género “Águias voam alto” ou “Aí está o Benfica!”, tantas vezes quando o “alto” era baixo como o Colombo ou o “Benfica” que se exaltava nada tinha do Benfica que conhecíamos e que parece estar agora de volta. Será que já não precisaremos mais, não de mentir, mas de dar à verdade um embrulho de ouro para material de pechisbeque? Em nome de Record, agradeço os bons ofícios de D. Enrique Sánchez Flores. “

Esta prosa foi assinada pelo director do Record. Reparem na parte a bold. Nada que não se desconfiasse…

Anúncios