Os novos donos do Manchester City estão dispostos a pagar 165 milhões de euros para contratar o avançado português Cristiano Ronaldo, jogador do rival Manchester United. Uma soma astronómica que o grupo Abu Dhabi United Group estaria disposto a desembolsar na reabertura do mercado de transferências, em Janeiro, afirmou ontem Sulaiman Al-Fahim, membro da nova direcção dos “blues”, citado pelo jornal inglês Guardian.

A concretizar-se, dobraria a transferência mais cara de sempre (recorde que ainda pertence ao negócio que envolveu a ida de Zinedine Zidane para o Real Madrid, que pagou 76 milhões de euros à Juventus, em 2001).

E superaria de longe a oferta de 100 milhões de euros que os merengues terão apresentado aos “red devils” durante o Verão , quando tentaram contratar o jovem internacional português. O clube de Old Trafford recusou a proposta espanhola, mas resistirá aos 165 milhões de euros dos árabes que esta semana compraram o “City” ao ex-primeiro-ministro tailandês Thaksin Shinatrawa?

“Ronaldo disse que quer jogar no maior clube do mundo, por isso, em Janeiro vamos ver se ele estava a falar a sério”, argumentou Al-Fahim, que se afirma empenhado em construir um “dream team” capaz de ganhar a Liga dos Campeões num prazo de dois a três anos.

Na mira do grupo que controla o emblema de Eastlands estão outros craques a jogar na Premier League, como Fernando Torres (do Liverpool) e Cesc Fabregas (do Arsenal), ou fora de Inglaterra como Thierry Henry, David Villa e o brasileiro e campeão do mundo Ronaldo.

Quanto ao número sete dos “red devils”, Al-Fahim argumentou que um jogador como Ronaldo custará mais do que os 100 milhões oferecidos pelo Real Madrid. “E por que não? Nós vamos ser o maior clube do mundo, maior que o Real e o Manchester juntos”, disse o representante do “City” que quer contratar “um mínimo” de 18 jogadores.

“Não vamos gastar dinheiro com qualquer um, mas se pudermos trazer os melhores jogadores do mundo, e se o treinador os quiser, então vamos comprá-los”, afirmou Al-Fahim que, anteontem, concretizou a transferência mais cara da época na Europa, ao pagar 42 milhões de euros por Robinho. Ao pé deste poder, os milhões de Abramovich (do Chelsea) parecem… peanuts.”

Fonte: Público

Anúncios